Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Bico de Gás



Domingo, 29.11.09

Live at Reading '92


Nirvana - Lithium
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:43

Sábado, 28.11.09

20 anos depois, talvez no mesmo sítio.


ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 04:22

Sexta-feira, 27.11.09

Portugal, que futuro?

«Entre 2007 e 2009 foram classificados 115 novos empreendimentos turísticos e, destes, 52 por cento são de quatro e cinco estrelas, revelou Luís Patrão, presidente do Turismo de Portugal, no congresso da APAVT que decorre em Vilamoura.»

O país parece limitado a explorar o turismo (se o aquecimento global não nos desertificar antecipadamente). Qualquer outra opção parece condenada ao fracasso a médio prazo.

À pesca, e indústria transformadora a ela associada, a UE dá prioridade à armada Espanhola. Na agricultura manda a França com a mais proveitosa fatia da PAC. A indústria de extracção de matérias-primas está confinada à pobreza relativa do solo português. Restam os serviços, mas estes só para consumo interno, não acredito que a central Bruxelas se permita ir à zona periférica portuguesa tratar de assuntos da banca ou seguradoras, que movem milhões. A cultura é secundária para qualquer Governo. A aposta nas novas tecnologias e energias parece um bom investimento, mas é avultado. Com a crise internacional e um défice de 8% não parece que o Estado possa injectar capital para um desenvolvimento sustentado, com aposta na Educação, e concreto, que permita a exportação de conhecimento e material.

Viveremos, então, apenas de turismo e artesanato?
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 13:57

Quarta-feira, 25.11.09

Casa Civil

«O Presidente da República efectuou alterações na Casa Civil da Presidência da República, mas Fernando Lima, que tinha abandonado o núcleo da Comunicação Social, permanece como assessor daquele serviço de consulta e apoio do chefe de Estado»

Finalmente percebe-se onde anda Fernando Lima. Continua na Casa Civil da Presidência, o que revela que Cavaco Silva mantém a confiança no seu assessor. O que também revela muito sobre a polémica das supostas escutas enviadas para os jornais. Enquanto estiver na memória colectiva, manter Fernando Lima na Casa Civil fragilizará o Presidente.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 12:38

Quarta-feira, 25.11.09

E que tal discutir políticas?

Agora que o turbilhão causado pela operação "Face Oculta" parece ter amainado, podemos recomeçar a discutir política? Já basta de tentar fazer cair um Governo com intrigas e alegações de envolvimento em casos de corrupção nunca fundamentados. Se o Governo PS tiver de cair que seja pelas suas opções políticas e não por uns mal-amanhados rendilhados judiciais.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 12:30

Domingo, 22.11.09

[pretexto]Os Aliados de Lordelo


foto: asensio
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:21

Quinta-feira, 19.11.09

embrace de random of red and yellow


foto: asensio
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 16:15

Quinta-feira, 19.11.09

Lateralus









Black then white are all i see in my infancy. red and yellow then came to be, reaching out to me. lets me see. as below, so above and beyond, I imagine drawn beyond the lines of reason. Push the envelope. Watch it bend. Over thinking, over analyzing separates the body from the mind. Withering my intuition, missing opportunities and I must Feed my will to feel my moment drawing way outside the lines. Black then white are all i see in my infancy. red and yellow then came to be, reaching out to me. lets me see there is so much more and beckons me to look thru to these infinite possibilities. as below, so above and beyond, I imagine drawn outside the lines of reason. Push the envelope. Watch it bend. over thinking, over analyzing separates the body from the mind. Withering my intuition leaving opportunities behind. Feed my will to feel this moment urging me to cross the line. Reaching out to embrace the random. Reaching out to embrace whatever may come.I embrace my desire to feel the rhythm, to feel connected enough to step aside and weep like a widow to feel inspired to fathom the power, to witness the beauty,to bathe in the fountain,to swing on the spiral of our divinity and still be a human. With my feet upon the ground I move myself between the sounds and open wide to suck it in. I feel it move across my skin. I'm reaching up and reaching out. I'm reaching for the random or what ever will bewilder me. what ever will bewilder me. And following our will and wind we may just go where no one's been. We'll ride the spiral to the end and may just go where no one's been. Spiral out. Keep going.
_____
Tool
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 15:56

Quarta-feira, 18.11.09

Areia para os olhos...

«"O Governo tomou a decisão mais sensata e mais correcta [ao preferir a ratificação do Tratado de Lisboa na AR em detrimento de um referendo] e a prova disso é a entrada em vigor do Tratado a 01 de Dezembro", afirmou Luís Amado num debate parlamentar sobre o documento[...]»

A entrada em vigor do Tratado poderia acontecer exactamente na mesma data caso houvesse um referendo. Se a ideia fosse, desde início, questionar os cidadãos sobre o Tratado, a preparação escrutínio teria sido rápida como aconteceu noutros países. E caso o "sim" ganhasse estaríamos na mesma a "celebrar" a sua entrada em vigor. O problema é que o Governo temia uma nega em referendo. A data de 1 de Dezembro em nada justifica a opção de deixar os europeus deste rectângulo fora da decisão.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 20:58

Quarta-feira, 18.11.09

Foi uma campanha negra

«O líder parlamentar socialista [Francisco Assis] afirmou, terça-feira à noite, que o primeiro-ministro não deve explicações sobre as escutas de que foi alvo mas admitiu que possa fazer uma comunicação ao país depois do procurador Geral da República esclarecer o assunto.»

O mais provável é que o PM requente um dos muitos discursos sobre cabalas e campanhas negras e o repita ad eternum. A melhor opção seria uma declaração aberta e sincera sobre qual o seu envolvimento, se o houve, nas escutas da investigação "Face Oculta". Não acredito que o faça, seguirá o caminho do conflito com a justiça e com os agentes políticos interesseiros. E seguir-se-á uma protectora palete de legislação.

A anulação das escutas, por falha na investigação, também não são um bom sinal para Sócrates que ficará sob um nevoeiro de suspeita. Também aqui era necessário um esclarecimento cabal.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 13:37

Segunda-feira, 16.11.09

Discrepâncias

«PS, PSD e CDS estão a desencadear processos de expulsão de militantes que, nas últimas autárquicas, se candidataram em listas concorrentes às dos seus próprios partidos. No PS-Porto fala-se de mais de uma centena, no PSD é em Viana do Castelo que se conhecem três dezenas de casos e no CDS há dois processos reportados: Amadora e Miranda do Douro.»

É hilariante a evidente discrepância de tratamento entre as expulsões nos partidos. Apenas as saídas forçadas de elementos comunistas parece causar celeuma e polémica. Se todos os partidos recorrem a este expediente para afastar militantes que não cumprem os regulamentos, explique-se, então, porque é o PCP o único partido julgado incansavelmente quando toma semelhante atitude.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 13:09

Quinta-feira, 12.11.09

Gota de Água


via De Rerum Natura
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 15:35

Quarta-feira, 11.11.09

Os mesmos erros

«A líder do PSD desafiou hoje o Primeiro-Ministro a prestar esclarecimentos ao país sobre o processo "Face Oculta", que considera ter ganho contornos políticos com a destruição das escutas a Sócrates.»

Não muitos dias após a derrota eleitoral, MFL repete os mesmos erros. Os ataques a Sócrates, com esta forma e nestes conteúdos, não lhe proporcionaram benefícios alguns, antes pelo contrário. Sócrates ganhou as legislativas apesar do caso Freeport, da licenciatura na Independente e até das supostas escutas ao PR. Para ganhar a confiança dos eleitores, MFL tem que tornar-se uma alternativa, esforço para o qual se mostra incapaz.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:20

Quarta-feira, 11.11.09

A ler

O caloiro e o monstro
[...]O paradigma tradicionalista, que se defende com a História começa por esquecer que é tão tradicional a defesa da praxe como o seu combate. A praxe é tradicionalista no pior dos sentidos. A cada tempo dos vários tempos dos últimos 150 anos, a praxe esteve sempre contra as mudanças estruturais dos sistemas políticos e sociais. Com a Monarquia contra a República, contra a Revolução e pelo Estado Novo. Nas duas principais revoluções do último século da nossa História a praxe foi suspensa, não só como forma de luta, mas acima de tudo por ela ser absolutamente contraditória com os ideais progressivos que floram nesses períodos. Outro lado pernicioso quanto ao carácter das tradições académicas é o facto de elas perpetuarem e ampliarem sempre as características mais conservadoras da sociedade. Se a sociedade é machista, homofóbica, classista, punitiva, e hierárquica, sob a batuta da estranha selecção do darwinismo social, a praxe ainda amplifica cada um destes defeitos. As mulheres não podem ser duxas nem cantar o fado, o conselho é de veteranos, os gays são figuras de gozo e de chacota (como de resto as derivas à “normalidade”), o caloiro é bicho e animal, “figura infra-humana para o gáudio dos doutores” com mais umas quantas matriculas e o código da praxe viola, sem sufrágio, direitos, liberdades e garantias consagradas na lei de todos.

O paradigma da integração justifica que se cite um livro curioso. Intitula-se “Coimbra Boémia”, livro este que como tantos outros livro de memorias da cidade velha, podemos constatar a violência dos relatos de antigamente, sem cosméticas nem falsas retóricas. Diz o livro: “o caloiro é para saciar os desejos dos doutores, é para entreter”. Integrar, é uma palavra que vem na praxe sempre com um duplo sentido, e são os relatos que o confirmam. No Coimbra boémia, dos anos 40, percebe-se bem o terror das repúblicas praxistas, as perseguições, as milícias, a arrogância ante os trabalhadores (futricas) bem como a simpatia do fascismo pelas trupes e vice-versa. O argumento da integração, usado muitas vezes pelos românticos da praxe, não é mais do que isso mesmo, uma visão romântica, sem nenhum facto da realidade que o suporte. Mandar, rapar, bater, humilhar, perseguir a diferença, nada tem de romântico e muito menos inclui. Permite isso sim, que a violência fique disponível nas mãos de tantos que para ai andam tão pouco sensatos, e que usam da praxe como uma auto-estrada rumo à cura das mais recônditas frustrações. Bateram-me…, pois baterei; raparam-me…, pois raparei, e assim sucessivamente, olho por olho dente por dente, até à derrota final, no ano da cartola e do juízo.[...]

Renato Teixeira, 5dias.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 17:46

Quarta-feira, 11.11.09

Enke (1977-2009)

O Homem é um ser que necessita de explicações para não sentir viver em puro absurdo. Quando as razões nos ultrapassam, foge-nos também a ideia (falsa) de controlo sobre o que nos rodeia.

Talvez uma situação semelhante tenha surgido na vida de um homem para que este decida terminar uma busca por respostas.

Ou então, somos nós, no meio do espanto, a procurar incansavelmente razão que nos arrume o mundo e nos devolva a noção de controlo que nestes momentos sempre nos abandona.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 11:13

Pág. 1/2



Creative Commons License


Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Novembro 2009

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930