Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Bico de Gás



Terça-feira, 11.04.06

Resposta a...

Esta Blasfémia:

Falta acrescentar e explicar que aceitar o CPE seria trabalhar sem direitos laborais, o que até já sabia que o João Miranda não ia referir.

As três opções (CPE, desemprego ou contrato normal) nunca seriam propostas simultaneamente. Ou seja, o empregador apontaria sempre duas soluções ao empregado: "CPE ou desemprego?", pois havendo a opção de impingir o CPE, nenhum empregador daria hipótese ao empregado de escolher o contrato normal.
Sem o CPE o empregador terá que assumir a opção do contrato normal.

O CPE destinava-se apenas à iniciativa privada, isso é verdade. Assim parece-me claro que a iniciativa privada não tem como criar os tão alardeados e infinitos postos de trabalho que se disse capaz de criar, daí a necessidade de um CPE (leia-se contratos laborais sem direitos) para que, "agilizando", possa mascarar essa sua incapacidade.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 02:25


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Abril 2006

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30