Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Bico de Gás



Quinta-feira, 18.11.04

Luís Delgado- O Fiel Amigo

Como o bacalhau, Luís Delgado é também um fiel amigo. Se o primeiro é necessário à mesa, na ceia de Natal, o segundo é indispensável após um Congresso de PSL...ah hum.. desculpem, PSD!

O Primeiro-ministro tem um amigo que acredita nele cegamente. E isso é bom para Santana Lopes porque quando largar o cargo não se vai sentir sozinho...
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 18:56

Segunda-feira, 15.11.04

PSD o “Partido que surge do Povo”

No discurso, tardio de Pedro Santana Lopes (uma e meia da manhã), no Congresso do Partido, ele refere que “o PSD surge do Povo Português ao contrário dos outros Partidos, que provêm de influências internacionais, como as Democracias Cristãs, as Internacionais, Comunistas, Socialistas, etc.”.

Eu relembro ao Dr. Santana Lopes que o PSD, por Sá Carneiro, Pinto Balsemão, Mota Amaral entre outros, provém da designada “Ala Liberal”. Uma facção que existia na Assembleia Nacional da altura do “antigo regime”, ou seja, o PSD provém de um grupo de deputados de uma Assembleia tolerada por uma ditadura fascista, debaixo da alçada de Marcelo Caetano. Que sabiam eles na altura sobre o Povo Português?

Santana Lopes também parece ter pouco a ver com o Povo. Não foi escolhido pelo povo do PSD para líder do Partido, nem pelo Povo Português, para Primeiro-ministro.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:38

Domingo, 14.11.04

O Congresso do PSD

Como sempre nestas alturas de Natal há um acréscimo, por todo o País, de todo o tipo de Circos e este ano não é excepção. Reparem que neste fim-de-semana, além dominical Gala da “Quinta das Celebridades”, aguentámos com o Congresso do PSD! É só circo!

Mas o Congresso do Partido Social Democrata não pareceu bem um circo. Começou por ser como uma festa na Kapital. Só entrava quem tinha cartão, com cotas pagas, ou fosse amigo do dono do estaminé. Marques Mendes esteve presente para ser considerado a ovelha negra, o desmancha-prazeres, o careta da festa. Mas logo um dos “porteiros” do Congresso, Morais Sarmento, o meteu, ou tentou meter, na ordem.

Depois o Congresso do Partido citrino transformou-se num Congresso do Partido Comunista Norte-Coreano, com as inevitáveis referencias ao “Grande Líder”, neste caso Francisco Sá Carneiro, em tão má hora desaparecido, deixando órfão a Social-democracia Portuguesa para todo o sempre.

Passa também, por parecer um jogo da Super-Liga pela quantidade de cadeiras vazias de pessoas pertencentes aos órgãos nacionais ou simples militantes do PSD que decidiram não comparecer, talvez por anteverem um desafio viciado à partida.

No final acaba tudo por se parecer, finalmente, com a mafiosa política portuguesa. Faz-se tudo nos bastidores, com golpes de camarim, muito bem escondido. Visto da plateia ou pela TV é tudo apenas espectáculo, publicidade, enfim o “Maior Espectáculo do Mundo”.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:21

Quinta-feira, 11.11.04

Reduções do IRS para 2006

De certeza que concordam comigo quando digo que este Governo tem actuado como poucos. É porque, realmente, são muitas as tolices, as calinadas, os disparates que este executivo tem feito. Começam é a parecer-me dignos de serem caracterizados por um Bordalo Pinheiro.

Por agora, as notícias que correm dizem respeito às tão prometidas mexidas, ou reduções para ser mais concreto, no IRS para o Orçamento de Estado de 2005. Foi decerto uma ideia discutida entre vários ministros e chegou mesmo a ser apresentada pelo Ministro das Finanças aquando das discussões do Orçamento. Mas parece que entretanto chegaram à conclusão que, como Portugal é um país pobre, se houver redução nos impostos não há dinheiro para manter o défice, mesmo com o recurso às receitas extraordinárias. É a velha imagem do cobertor... se taparmos a cabeça, ficam os pés de fora. Por isso o Dr. Bagão Félix vem agora dizer que as reduções ao imposto vão ser feitas aos poucos. Mas porque é que só o dizem agora? Não se tinham dado conta que era preciso explicar isso aos Portugueses? E não me venham com a graça de que esta era a ideia desde o princípio...

Assim as reduções nas taxas de IRS prometidas, não são para ser cumpridas em 2005, são para 2006. É o primeiro Governo que faz um orçamento do próximo ano para daqui a dois anos. Este ano desce-se um pouquinho ao imposto e no ano de 2006 desce-se o resto, ou seja, o grosso. E porquê em 2006? Porque 2006 é o ano em que este Governo espera ser legitimado por intermédio das eleições legislativas. Que espere sentado...
A única coisa que nos ocorre, como Portugueses, é pensar que no nosso país não existe, nem existirá, o período de tempo desde o Verão de 2004 até às eleições de 2006. Parece não valer a pena governar neste período pois só haverá Governo legítimo em 2006. Até mesmo Pedro Santana Lopes sabe disso, as promessas já são espaçadas no tempo porque tudo o que fizer hoje pode vir a trama-lo amanhã. E nesta perspectiva Portugal é um país adiado, à espera de melhores dias...que até poderiam vir já amanha, se nos deixassem votar.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 02:56

Segunda-feira, 08.11.04

O Mestre Escola Barreto

O Ministro das Actividades Económicas e do Trabalho, Álvaro Barreto, funciona, neste Governo, como Mestre Escola. A primeira vez que usou a palmatória foi em Nobre Guedes, Ministro do Ambiente, aquando da publicação dos resultados do Inquérito sobre o acidente de Leixões.

Álvaro Barreto, agora numa entrevista ao “Público” e à “Rádio Renascença”, usou a tábua perfurada no Ministro dos Assuntos Parlamentares, Rui Gomes da Silva. Ou seja, Álvaro Barreto, aquele que disse que nunca trabalharia num Governo com Pedro Santana Lopes como Primeiro-ministro, tem, neste Governo, a função de ministrar as punições às trapalhices de outros Ministros, ou “alunos”. Cada um faz o que sabe...

O Ministro de Estado, nessa entrevista, diz que se fosse Rui Gomes da Silva não tomaria “a iniciativa que Gomes da Silva tomou” sobre as críticas Marcelo Rebelo de Sousa. Acha também que a atitude de Paes do Amaral foi “normal” não podendo ser considerada como pressão. Barreto pensa que o Senhor Doutor Presidente da TVI não tem culpa nenhuma, era o que faltava, o “aluno” Gomes da Silva é que fez asneira, e por isso vai apanhar umas reguadas.

As afirmações de Álvaro Barreto parecem abrir caminho à renovação do Governo de Pedro Santana Lopes, ou seja, reprovam-se alguns Ministros, desculpem, “alunos” e entram outros. O problema é que Pedro Santana Lopes só parece encontrar Ministros, desculpem, “alunos” do gabarito de Rui Gomes da Silva. Neste Governo não parece haver muitos a passar de ano.

Mas se Álvaro Barreto é Mestre Escola, Pedro Santana Lopes deveria ser o Presidente do Conselho Executivo da escolinha! Mas não é, PSL não passa do “aluno” baldas. Já Paulo Portas é um Delegado de Turma queixinhas, Rui Gomes da Silva é aquele “aluno” trapalhão que há em todas as turmas. Todos os outros são “alunos” indiferenciáveis, aqueles que ninguém conhece.

E quanto àquele “aluno” que quer prolongar por mais três meses as permanência da GNR no Iraque? O Mestre Barreto está distraído? Não há umas reguadas?
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 21:29

Domingo, 07.11.04

Nada

Yves Moore

Os meninos-prodígio não são fenómenos de agora. A Música e as Matemáticas são campos férteis, e deles têm saído vários pequenos génios como, por exemplo, Wolfgang Amadeus Mozart e Maurice Allen.
Na Literatura, porém, esses fenómenos não são tão frequentes e têm uma forte tendência para escassear. Abundantes, toda a gente o sabe, são os adolescentes prodigiosos: Radiguet, Rimbaud, etc.. Por isso, o estranhíssimo caso de Yves Moore é deveras espantoso e ainda hoje constitui motivo de assombro para obstetras, psicólogos, críticos literários.
Nascido em Amedford, Oregon, E.U.A., em 1922, morreu prematuramente com 10 anos de idade. Em 1923 (não é erro de impressão) publicou o seu primeiro livro de versos, e com três anos de idade a sua primeira novela, Remember not, my heart, our offenses. Em 1926 apareceram as suas memórias, em quatro volumes e, entre 1927 e o ano da sua morte (1932), sucessivos estudos sobre Ésquilo, a poesia hebraica antiga, o uso da metáfora em Shelley, o teatro de O'Neil, a pintura de Van Gogh, dois livros de versos, Frankness e Bury Fair e a novela The Moralists.
(Morrem novos aqueles a quem os deuses amam?).


NADA

Não tenho nada
nada a não ser a erva húmida sob os meus pés descalços
nada a não ser o fresco alento da noite sobre os meus ombros
nada a não ser este fogo
onde aqueço as minhas mãos
nada a não ser o canto das cigarras
nada a não ser o crepitar dos ramos secos na fogueira
nada a não ser o brilho cúmplice e distante
daquela estrela
talvez já apagada
cujo último raio viajou milhões de anos
para chegar esta noite
até mim.


Os Herdeiros do Vento - Antologia Apócrifa
Autor: Joaquim Pessoa
Editora:LITEXA EDITORA
Ano: 1984
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 02:12

Sexta-feira, 05.11.04

The Kill Everyone Project


GO KILL'EM!!!
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:29

Quarta-feira, 03.11.04

What a strange World

Depois de, em Portugal, Jorge Sampaio ter dado continuidade ao Governo de direita, quando havia hipótese para mudar, nos EUA, os americanos preferiram manter George W. Bush e os Republicanos, no comando dos destinos do país!

Se por cá o Governo de Pedro Santana Lopes nos foi impingido, nos EUA, a recondução de tamanho PATETA para a Presidência do país, não se entende. Com quatro anos de experiência de como é ser liderado por um TONTO, desculpa lá Tio Sam, não se entende mesmo esta reeleição! O IMBECIL “só” vos conduziu à guerra, à mentira, à crise, ao desemprego, aos escândalos económicos, ao aumento dos preços dos medicamentos e do petróleo, à redução dos impostos aos mais ricos, à hostilização de três quartos do Mundo, ao afastamento do país dos seus Aliados de sempre. Não chegou? São precisos mais quatro anos? Daqui a três meses estarão arrependidos, mas já não há nada a fazer... É pena que a lição espanhola não tenha atravessado o Atlântico.

A cerimónia eleitoral americana é que continua na mesma. Uma campanha eleitoral duvidosa, um método estranho de eleições, problemas com boletins de voto desaparecidos nos Correios, contagens discutíveis, furos, cruzes ou voto electrónico questionáveis, etc.. De notar é que o voto electrónico já foi usado no Brasil (esse país de terceiro Mundo, pensarão os americanos) e não levantou problemas. Que estranho! Nos EUA, na auto-proclamada Maior Democracia do Mundo, até contar cruzes é difícil, quanto mais exigir que no voto electrónico seja entregue um comprovativo impresso!

Este Mundo anda tão esquisito que ainda vamos ter suportar a reeleição de Sílvio Berlusconi. Ou pior, a escolha de Paulo Portas para Primeiro-ministro de Portugal em 2006! Safa, deus nos livre, ainda não chegámos à Madeira!
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 23:08

Quarta-feira, 03.11.04

Tiradas de génio

“MTV is a strip bar with better music.” “Religion is a neurological dysfunction.”
Bill Maher no Larry King Live

“EAT ANOTHER PRETZEL, ASSHOLE”
Cartaz Anti-Bush

“A intensificação da produção no sentido de alimentar um população aumentada causa um aumento ainda maior na população.”
Humankind de Peter Farb

“God you’re an idiot! You take the nazi [Leni Riefenstahl] at 101 years old of old age and you also take Jonh Ritter, 44 years old with a heart disease that only you could know about!“
Lewis Black no Daily Show With Jon Stewart

“Não há quem castigue com nojo e raiva, a brutalidade, a selvajaria, a barbárie, a injustiça.”
Zenão em A Obra Ao Negro de Marguerite Yourcenar

“Fé é algo em que tu acreditas e que mais ninguém, no seu perfeito juízo, acreditaria.”
Archie Bunker em All in the Family

“ I don’t fear death, I just don’t want to be there when it happens.”
Woody Allen

"Definição de Entropia: Lixo Atrai mais lixo."
Apocalipse Nau de Rui Zink

"You can kill a man but you can't kill an idea."
Medgar Evers

"1ª Lei da Termodinâmica: Não há almoços grátis"
Zero de Charles Seife
ASENSIO


Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:47

Quarta-feira, 03.11.04

E-mail para o Sr. Dr. Jorge Sampaio, Presidente da República Portuguesa

Senhor Presidente:

Embora respeitando os poderes que são consagrados ao Presidente da República pela Constituição Portuguesa, acredito que um Governo só deve ser escolhido pela realização de eleições gerais. Por isso, sem a necessária consulta popular, não posso reconhecer legitimidade ao Governo actual. Quero votar e já o queria fazer há três meses atrás.

O argumento da necessidade de estabilidade que o Senhor Presidente usou para empossar o Dr. Pedro Santana Lopes não serviu, nem serve. Portugal apenas acusa estabilidade nos recuos. Estamos estavelmente a recuar económica e socialmente. E se no atraso económico o Governo pode, embora eu não atenda a esta desculpa, justificar-se com as conjunturas da crise internacional, o recuo social é inaceitável. O atraso social só vai aumentar com este Governo, como facilmente podemos constatar, por exemplo, pelo Orçamento de Estado para 2005. Se as despesas com a Defesa sobem exponencialmente é evidente que os projectos sociais ficam para segundo plano.

Outro caminho Portugal vai estavelmente percorrendo é o caminho para o “controlo” dos meios de Comunicação Social. Não quero no Futuro ter que substituir a palavra “controlo” por “censura”. Este é mais um caminho perigoso que o Governo resolveu tomar, que o Senhor Presidente bem conhece de outros tempos e que sei que não quer que voltem.

Tenho a certeza que esta não é a estabilidade que o Senhor Presidente pretendia. Por isto tudo lhe peço, deixe o Povo Português escolher. A dissolução (ainda) é uma opção.

Atenciosamente
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:12

Terça-feira, 02.11.04

DISGUSTIPATED [min:sec]

[00:00]
And the angel of the lord came unto me, snatching me up from my place of slumber. And took me on high, and higher still until we moved to the spaces betwixt the air itself. And he brought me into vast farmlands of our own Midwest. And as we descended, cries of impending doom rose from the soil. One thousand, nay a million voices full of fear. And terror possessed me then. And I begged, "Angel of the Lord, what are these tortured screams?" And the angel said unto me, "These are the cries of the carrots, the cries of the carrots! You see, Reverend Maynard, tomorrow is harvest day and to them it is the holocaust." And I sprang from my slumber drenched in sweat like the tears of one million terrified brothers and roared, "Hear me now, I have seen the light! They have a consciousness, they have a life, they have a soul! Damn you! Let the rabbits wear glasses! Save our brothers!" Can I get an amen? Can I get a hallelujah? Thank you Jesus.

[02:35] Song:
This is necessary.
Life feeds on life feeds on life feeds on life feeds on...
This is necessary.

[06:45]
…Crickets…

[13:51]
It was daylight when you woke up in your ditch. You looked up at your sky then. That made blue be your colour. You had your knife there with you too. When you stood up there was goo all over your clothes. Your hands were sticky. You wiped them on your grass, so now your colour was green. Oh Lord, why did everything always have to keep changing like this. You were already getting nervous again. Your head hurt and it rang when you stood up. Your head was almost empty. It always hurt you when you woke up like this. You crawled up out of your ditch onto your gravel road and began to walk, waiting for the rest of your mind to come back to you. You can see the car parked far down the road and you walked toward it. "If God is our Father," you thought, "then Satan must be our cousin." Why didn't anyone else understand these important things? You got to your car and tried all the doors. They were locked. It was a red car and it was new. There was an expensive leather camera case laying on the seat. Out across your field, you could see two tiny people walking by your woods. You began to walk towards them. Now red was your colour and, of course, those little people out there were yours too.
[15:47] End

Música: DISGUSTIPATED
Álbum: UNDERTOW
Por: TOOL
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 01:56

Segunda-feira, 01.11.04

Duelos de Irmãos

Portugal sempre foi assim... desde D. Afonso Henriques até à actualidade, passando pelas lutas Liberais.

Depois do duelo Portas, que se perpetua entre Paulo e Miguel, parece que surge um novo conflito. Daniel Sampaio escreve uma carta-aberta n'A Capital de deixar o irmão Jorge, senão zangado, no mínimo aborrecido.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 04:12

Pág. 2/2



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Novembro 2004

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930