Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Bico de Gás



Sexta-feira, 08.07.05

O paradoxo da morte de Zenão

Zenão de Eléia está a duas horas da sua própria morte. Cansado, senta-se para escrever um pouco. Depois de tanto tempo a desafiar a realidade do movimento, o simples esforço de mover o seu corpo já o fatiga. Sem dar conta, na escuridão do seu quarto, apenas iluminado por uma vela, já encheu páginas de novos paradoxos a desenvolver. Zenão está agora a uma hora da sua morte.

Pega no primeiro e naquele que mais interessante lhe parece ser. Vai desenvolvê-lo em primeiro lugar. Reduzi-lo ao absurdo, transformar a realidade em contradição. Recomeça a escrita. Já quase não necessita pensar. Recriar está-lhe no sangue. Zenão não termina o primeiro, sente-se mal, está a trinta minutos da sua morte.

Levanta-se com esforço. Algo, no seu corpo, lhe diz que não está bem. Procura, na escuridão, o catre onde dorme todas as noites. Deitado se sentirá melhor, pensa. O esforço de atravessar o seu quarto deixa-o sem forças. Cai na sua cama como que desfalecido. Sem adormecer ainda pensa que conseguirá o seu melhor paradoxo. Zenão está a quinze minutos da sua morte.

A respiração de Zenão afunda-se, alonga-se. Julgar-se-á que dorme, mas não. Zenão, apesar de estar a cinco minutos da sua morte, ainda pensa.

O seu corpo envelhecido, dorido, quer descansar. Zenão ainda não o permite mas pensa se este não terá sido, afinal, um dos seus últimos escritos. Zenão tem um minuto para viver.

Agora sim, o corpo de Zenão traiu-o, já não responde. Mas o seu cérebro ainda insiste. Poderá não escrever mas nada o impedirá de pensar. Zenão tem trinta segundos para meditar.

É o que faz. Tem agora 15 segundos... 5 segundos... 1 segundo... 0,5 segundos... 0,25 segundos... 0,125 segundos... 0,0625 segundos... 0,03125 segundos... 0,015625 segundos... 0,0078125 segundos. E pensando assim até à eternidade, Zenão julgar-se-á imortal.
ASENSIO

[Este texto, não corresponde à real morte de
Zenão. Este acabou por sucumbir às torturas que sofreu, como castigo pela conspiração, e à não denúncia de cúmplices, para assassinar o tirano local. Chegou mesmo a morder a própria língua, arrancando-a e atirando-a contra os seus carrascos. Este texto foi também publicado no Sempiterna Temptatio].

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:13

Sexta-feira, 08.07.05

A nova Lei da Nacionalidade

Que tanto entusiasmo provocou, ficou a meio do caminho. O Governo poderia e deveria ter sido mais audaz na alteração desta Lei.

Apenas será concedida Nacionalidade Portuguesa a Imigrantes de “terceira geração”, ou então a de “segunda geração” se pelo menos um dos pais estiver em situação legal no país há mais de seis anos. É manifestamente pouco. Continuaremos com os problemas de integração de imigrantes de “segunda geração”. Afinal a terra ainda não vale mais que o sangue.
ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 16:02


Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Julho 2005

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31