Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Bico de Gás



Sexta-feira, 17.08.07

Eternoretornógrafo

WILFREDO CATÁ
Pseudónimo sob o qual o poeta cubano Luis Rogelio Nogueras publicou em Março de 1969 o poema "Eternoretornógrafo", revelando sua verdadeira autoria apenas em 1981, quando da publicação do seu livro Imitación de la vida, em Havana.

Este belíssimo poema vem uma vez mais, e originalmente, tocar no problema (?) das influências sofridas pelo(s) escritor(es). Já se disse que há poesia ultrapassada com duzentos anos e poesia actual com dois mil, e o que Luis Rogelo Nogueras parece querer afirmar neste seu poema-pião-do-tempo, é que nenhum escritor pode por de lado, no acto da escrita, a sua (nossa) herança cultural.
_______________________

Eternoretornógrafo


O jovem poeta murmurou fechando o livro

de Apollinaire:

"Este sim, é um poeta..."

E Apollinaire, o soldado polaco Wilhelm

Apollinaris de Kostrowitzky,

enterrado até à cintura na trincheira

perto de Lyon,

olhando a noite estrelada de 4 de agosto

de 1914

a terra ressequida, florescida de estacas e arame

farpado,

semeada de minas essa noite de 1914,

olhando as bengalas azuis, vermelhas e verdes no

céu envenenado pelos gases,

apertou o húmido livrito de Rimbaud enquanto

sobre a sua cabeça silvavam os obuses.

E Rimbaud, fazendo as suas malas em Charlesville,

juntou à sua roupa os versos de Villón.

E Villón, o doze vezes condenado, o apócrifo,

o inédito, pensou diante do patíbulo nas três

coisas que mais havia amado: sua mulher Christine,

a sua própria lenda e

a vaga recordação de uns versos que falavam

da noite de 711 em que Taric se apoderou

de Gibraltar.

E o sombrio poeta árabe que escreveu aqueles

versos na calorosa noite de 711 apoiando-se

na cimitarra

imitava os versos que seu avô lhe costumava ler

na longínqua Argel;

e o avô de Argel havia lido Imru-Ui-Qais,

aquele que Maomé considerava o primeiro grande

poeta árabe: tinha-o lido numa interminável

jornada pelo deserto do Sahara (mais húmido

agora do que então)

na lenta marcha dos camelo e nas tendas

acesas.

E é provável que Imru-Ui-Qais tivesse escrito

na língua de Allah imitações de Horácio.

E Horácio admirava Virgílio,

e Virgílio aprendeu com Homero,

e Homero, o cego, repetia nos seus versos os

estranhos poemas que sussurravam ao ouvido

os amantes nas estreitas ruas de Babilónia

e Susa,

e em Babilónia e Susa

os poetas imitavam os versos dos hititas de Bog

Haz Keni e da capital egípcia de Tell El

Amarna,

e os poetas de 4000 a.C.

imitavam os poetas de 5000 a.C..

Até que o Homem de Pequim, na húmida caverna

de Chou-Tien

vendo arder lentamente sobre as brasas a anca

de um veado,

grunhiu os versos que lhe ditava do futuro

um jovem poeta que murmurava fechando um livro

de Apollinaire.

____________________________________

Os Herdeiros do Vento - Antologia Apócrifa

Joaquim Pessoa

ASENSIO

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 02:50


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Agosto 2007

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031