Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Bico de Gás



Sexta-feira, 08.07.05

O paradoxo da morte de Zenão

Zenão de Eléia está a duas horas da sua própria morte. Cansado, senta-se para escrever um pouco. Depois de tanto tempo a desafiar a realidade do movimento, o simples esforço de mover o seu corpo já o fatiga. Sem dar conta, na escuridão do seu quarto, apenas iluminado por uma vela, já encheu páginas de novos paradoxos a desenvolver. Zenão está agora a uma hora da sua morte.

Pega no primeiro e naquele que mais interessante lhe parece ser. Vai desenvolvê-lo em primeiro lugar. Reduzi-lo ao absurdo, transformar a realidade em contradição. Recomeça a escrita. Já quase não necessita pensar. Recriar está-lhe no sangue. Zenão não termina o primeiro, sente-se mal, está a trinta minutos da sua morte.

Levanta-se com esforço. Algo, no seu corpo, lhe diz que não está bem. Procura, na escuridão, o catre onde dorme todas as noites. Deitado se sentirá melhor, pensa. O esforço de atravessar o seu quarto deixa-o sem forças. Cai na sua cama como que desfalecido. Sem adormecer ainda pensa que conseguirá o seu melhor paradoxo. Zenão está a quinze minutos da sua morte.

A respiração de Zenão afunda-se, alonga-se. Julgar-se-á que dorme, mas não. Zenão, apesar de estar a cinco minutos da sua morte, ainda pensa.

O seu corpo envelhecido, dorido, quer descansar. Zenão ainda não o permite mas pensa se este não terá sido, afinal, um dos seus últimos escritos. Zenão tem um minuto para viver.

Agora sim, o corpo de Zenão traiu-o, já não responde. Mas o seu cérebro ainda insiste. Poderá não escrever mas nada o impedirá de pensar. Zenão tem trinta segundos para meditar.

É o que faz. Tem agora 15 segundos... 5 segundos... 1 segundo... 0,5 segundos... 0,25 segundos... 0,125 segundos... 0,0625 segundos... 0,03125 segundos... 0,015625 segundos... 0,0078125 segundos. E pensando assim até à eternidade, Zenão julgar-se-á imortal.
ASENSIO

[Este texto, não corresponde à real morte de
Zenão. Este acabou por sucumbir às torturas que sofreu, como castigo pela conspiração, e à não denúncia de cúmplices, para assassinar o tirano local. Chegou mesmo a morder a própria língua, arrancando-a e atirando-a contra os seus carrascos. Este texto foi também publicado no Sempiterna Temptatio].

Autoria e outros dados (tags, etc)

às 22:13


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Creative Commons License


Pesquisar

Pesquisar no Blog  


calendário

Julho 2005

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31